Início de uma história...


De aspecto um tanto duvidoso, Maria exibia suas formas precocemente pelas ruas e calçadas da cidade, seu bronzeado era perfeito, e suas curvas um chamariz pra olhares de quem a pudesse tirar de sua vida simples e pouco proveitosa, segundo ela falava a si todos os dias que o sol brilha-se no céu.
Seu nariz afilado, seus lábios carnudos e bem pintados, com o gloss da moda, olhos negros e bem traçados á poder de maquiagem, deslizava ela... sem ter pena de seu próprio destino esperado.

Conforme marcado e combinado, aguardava o agente de sua amiga Beatriz a respeito de um trabalho, que parecia ser rentável, rápido acesso ao dinheiro e que ainda, ela não sabia do que se tratava, mas conhecia a amiga, a ponto de confiar que em nenhuma situação seria dura ou difícil, como já vivia a cada dia, conforme sol nascia e luz encantava...

Aprontou-se , e no horário combinado, meia noite e meia, no bar Jovem Morada, no bairro de Ipanema, onde sempre via pessoas bem vestidas, conversas em mesas de bar com gringos e seus cigarros bem traçados e inclinados em suas mãos, pareciam não ser nicotina, pareciam á ela, fumaça de plena elegância, onde ela mesma, não tinha coragem de tocar, porque não teria o mesmo efeito em seus dedos.

Beatriz se aproxima com um homem alto, bem alinhado, de terno bege, com uma gravata que a fez lembrar lençóis, seu cheiro chegava em suas narinas, antes mesmo dele se aproximar da cadeira que se encontrava sentada. O olhou encantada e deslumbrada com tamanho poderio masculino, seria algo parecido com um empresário, ou produtor e poderia, quem sabe Deus, levá-la a conhecer alguém e torná-la uma estrela, quem sabe de conhecimento de público e tv aberta.
Sonhou com minutos e minutos, e segundos e segundos, fugindo até a perceber, quando sua amiga, a chamou pelo nome duas vezes, e se tocou que eles, os mediadores de seu projeto de vida atual e talvez futuro, estivessem á sua frente, tão prontamente, passando dispercebido ao seu devaneio

_ Muito prazer, seu nome é Maria, correto ?
_ Sim, (dizia admirada), esse é meu nome, prazer, Srº ?
_ Carlos
_ Muito prazer, senhor Carlos, espero que possamos nos entender com o emprego, que Beatriz havia me falado, pois tenho visto, o quanto ela tem melhorado de vida, e o convite feito igualmente a mim, me foi dado com tamanha esperança de melhorias pessoais
_ Sim, será muito promissor, pra mim e pra você
_ (Sorriu)
_ Do que se trata, Senhor Carlos ?
_ Somente Carlos, por favor, tenho apenas 35 anos, minha querida e trata-se de comércio
_ Que bacana, acho que tenho muita simpatia com as pessoas
_ Carlos sorriu e respondeu, sem muito se intimidar com o retorno de sua transparência, Querida Maria, trata-se de comércio sexual
_ Como assim ?
_ Prostituição á nível executivo, pois vejo, o quanto tens de beleza e de destreza pra conversa e habilidosa na prática, será apenas algo a ser discutido nos pormenores...
_ Se entendo bem, quer que eu seja, uma prostituta e que vc seja meu cafetão, invés de um agente de talentos, conforme pensei, se tratar... então... quer dizer que minha amiga também...
_ Sim, ela trabalha no ramo, se me lembro bem, cerca de um ano e dois meses, tempo exato que saiu de uma situação financeira parecida com a sua atual, pra poder exibir-se, como qualquer patricinha da redondeza, com seu perfume importado, suas jóias, carro do ano e faculdade de direito dando início no segundo período, não é isso Beatriz ?
_ Sim, Carlos, estou indo para o segundo período, e devo muito a você e ao mundo que se abriu á mim, da mesma forma que está prestes a acontecer, com Maria.

_ Maria, não se alarme com o nome, é apenas algo que ofende o moralismo já conhecido, mas que metade ou mais que isso, de toda população aqui que transita, sejam moradores, independente de idade, já passaram pelo tipo de comércio que estamos tratando contigo hoje, pense que teve a sorte de nascer bonita e com um corpo invejável, infelizmente não posso dizer o mesmo de sua situação financeira e social, e devido á nossa amizade, tenho analisado você a um tempo, desde tempos onde ainda, me conhecia, pedindo empreguinho em que ganharia um salário ou dois no máximo, me expondo ao ridículo, 8 horas ou mais trabalhadas, com patrão dando em cima, e por desespero, trocando sexo por um jantar ou uma saidínha no carro do ano dele, como muitas mulheres que conheço.

_ Estamos lhe oferecendo um mundo á parte, desconhecido até então para ti, mas que com certeza, não se lembrará do outro mundo, que hoje, infelizmente vives.
_ Estou prestando atenção a tudo que estão me falando, e vejo e desejo tudo que acabaste de me falar, mas não acredito que eu consiga ter estômago pra todo tipo de homem que possa aparecer, não sei se tenho dom pra tal ofício, e se eu que estou sozinha na cidade, não tenho parentesco, me alegra o fato de não ter pai nem mãe vivos, pra poder ter desgosto, caso ousassem querer véu e grinalda pra sua filha única, que ficou sozinha e desamparada nesse mundo de meu Deus.

_ Ensinaremos o ofício, não se preocupe, teremos tempo, temos pessoas especializadas, não serás uma acompanhante qualquer, aprenderás bons modos, bons costumes, aprenderás a falar melhor, a comer melhor, a reconhecer vinhos e pratos, a tocar os talheres e os manusear e tão pouco ficarás tão distante do semblante um tanto infantil, mas que vejo além, da mulher desejada e bem valorizada que se tornarás...
_ Eu aceito
_ Ótimo, disse Carlos
_ Ficaremos mantendo contato, dou-te uma semana pra poder avaliar tudo que tenha que resolver, se mudará pro estabelecimento que tenho para aprimorar os conhecimentos do comércio, onde conhecerás Judite, sua mãe , a partir de hoje.
Ela formou as melhores acompanhantes que esse estado pode conhecer, muitas das meninas, hoje vivem no exterior, muito bem de vida e com suas famílias formadas, e ela tem fotos e recordações de muitas delas, onde gosta sempre de contar, com emoção e afinco.
_ Será minha mãe então, pois hoje me dispo da condição de orfã.
_ Muito acertada sua decisão Maria, não se arrependerás, eu serei seu amigo, seu sócio e terás em mim, um negociante de si própria.
Conversa terminada, tomou caminho de volta ao pequeno apartamento de um quarto, banheiro e corredor que pagava á duras custas com empregos passageiros, no bairro de Santa Tereza
Iniciava uma longa história, onde o início estava sendo traçado, mas que tinha muito a contar...

Comentários

janelasdavida disse…
Oi, belo texto! De onde ele é?
Chris disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana disse…
Oi Cris, eu perdi as contas de quantas vezes eu assisti Instinto Selvagem, mas só o primeiro é bom a continuação é uma porcaria não sei se tu já assistiu?

Grande beijo e ótimo domingo.
Vim agradecer vc por ter compartilhado o meu niver junto comigo,obrigado.

beijooo
André disse…
Olá, obrigado pela visita Chris...

Adorei esse blog aqui, tem textos fantásticos, sempre vou passar aqui pra ler esse belos textos, não conseguir ler todos ainda, mas uma hora com mais calma, eu leio tudo.

Beijos.
Teu blog me inspira, me instiga, me intriga.
gosto daqui.
Maurizio
Princesa disse…
Lindo texto cheio de promessas de uma vida melhor!
Mas será mesmo melhor?

Obrigada pela visita.

Um beijo

Postagens mais visitadas deste blog

Domínio..

Trilhos e pés descalços..

Balões de luz..